Saúde em Movimento

12/11/2020

A atividade física reduz 20% do risco em mais de 25 condições crônicas de saúde e acrescenta anos de vida, prevenindo mortalidade prematura. Apesar de conhecermos essa realidade, no Brasil, 1 indivíduo entre cada 4 é sedentário, 41,2 milhões de brasileiros com mais 18 anos são obesos e pelo menos 3 entre cada 100 mortes são influenciadas pelo sedentarismo (OMS). Para piorar o contra senso da longevidade saudável, entre indivíduos ativos, conforme os anos se passam, as pessoas reduzem o tempo dedicado aos exercícios (Vigitel, 2019). Do total de gastos com internações por doenças crônicas não transmissíveis, R$141.872.521,76 são atribuídos ao sedentarismo (Bielemann, 2015).

Tão relevante quanto os números do sedentarismo são os números da redução da prevalência da inatividade física: 10% menos sedentarismo pode promover economia equivalente à 1,3% dos custos totais do SUS com internações para as mesmas causas crônicas (Bielemann, 2015). Mas como engajar a população para uma mudança real, para a vida ativa e modelo sustentável de saúde?

Se pensarmos no modelo preventivo que já funciona: na prevenção do câncer e de doenças cardiovasculares através de programas bem estruturados de check ups periódicos e cuidado em atenção primária e secundária, removendo causas e fatores de risco em estágio inicial ou subclínico, orientando metas de prevenção e monitoramento de sucesso; podemos imaginar o mesmo modelo custo-efetivo de rastreio populacional de risco para lesões e fragilidade, impulsionando a transformação da saúde por estímulo à atividade física, prevenindo lesões e comorbidades relacionadas ao sedentarismo.

A tecnologia TechBalance, tem como objetivo traduzir o desempenho medido a partir do equilíbrio postural e histórico clínico, em informações valiosas para a tomada de decisão e apoio da reabilitação, ampliando o acesso à gestão do risco de lesões, quedas e fraturas. Nossa missão é compor a triagem de risco, planejamento e monitoramento da longevidade saudável usando tecnologia e inteligência artificial para prevenção e transformação do envelhecimento em uma forma de vida ativa e participativa, acompanhando a população com métricas objetivas e norteadoras da prevenção ao tratamento, desde a vida jovem até a idade avançada.


Referências:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5573782/

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26995692/

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26487291/